CULTURA REGENERATIVA PARA COMUNIDADES SAUDÁVEIS: VIVENDO COM RESILIÊNCIA

A Natureza como modelo vivo de aprendizagem para uma cultura regenerativa que nos permite viver com equilíbrio as mudanças sistêmicas


Ilustração: Ashley Jihye.

Estar vivo é adaptar-se

A Pandemia de 2020 expôs de maneira inesperada, a imensa fragilidade das estruturas organizacionais e sistemas produtivos globais. Podemos dizer que está sendo uma forma dolorosa de lembrarmos uma verdade importante: estamos todos interligados por dinâmicas e fluxos sistêmicos humanos e ecológicos. Todos fazemos parte do grande processo da vida, que possui suas leis naturais para ditar sua evolução ao longo do tempo.  


Construir uma Cultura Regenerativa nada mais é que viver conscientemente sob as Leis e Dinâmicas da Natureza.


Dentre estas leis necessárias para a vida, gostaria de destacar hoje a resiliência, a capacidade de reestabelecer o equilíbrio sempre que um evento aconteça, não somente para a manutenção de um sistema, mas para gerar aprendizado e evolução. Um modelo muito utilizado para o estudo desta propriedade dos sistemas vivos é o “Ciclo Adaptativo”, apresentado no livro Panarquia por Lance Gunderson e C.S.Holling. Este modelo tem sido utilizado como um mapa de desenvolvimento para projetos sustentáveis a partir da complexidade dos processos evolutivos emergentes em todo sistema vivo. O Ciclo Adaptativo possui quatro fases e é dividido em duas partes, a primeira (alfa) iniciando com a colonização do sistema (exploração), passa pelo crescimento (desenvolvimento) e conservação (maturidade) e a segunda parte (ômega), a partir da perturbação para a reorganização do sistema. A implicação da teoria de resiliência para a gestão de sistemas é que, em vez de tentar mantê-los em seus pontos de equilíbrio ou geri-los rumo a trajetórias fixas, é mais importante pensar na capacidade de lidar com as mudanças. De certa forma, resiliência é uma síntese entre estabilidade e dinâmica, integrando as ideias de mudança e limites (BUSCHBACHER, 2014).


Ravi Resck, representou de forma brilhante este ciclo considerando as quatro etapas do desenvolvimento de um projeto descrito pela metodologia Dragon Dreaming (Sonhar- Planejar- Realizar- Celebrar), que se baseia na Ecologia Profunda para entregar iniciativas colaborativas e guiadas pela inteligência coletiva.




Você consegue identificar qual etapa seu projeto/iniciativa/empresa está passando primordialmente agora?


Estar vivo é relacionar-se

"Uma cultura humana regenerativa é saudável, resiliente e adaptável; cuida do planeta e da vida com a consciência de que esta é a maneira mais eficaz de criar um futuro próspero para toda a humanidade." 

(Daniel C. Wahl)


É essencial considerar três valores principais para o desenvolvimento de uma Cultura Humana Regenerativa: saúde, resiliência e adaptabilidade. Para Daniel Wahl, referência em Design de Culturas Regenerativas, o conceito de resiliência está intimamente relacionado à saúde, ou seja, à capacidade de recuperar funções vitais básicas e de reação a qualquer tipo de colapso temporário ou crise.  Se eu pudesse resumir em uma palavra, a partir de uma perspectiva sistêmica, definiria Saúde como Conexão. Colocar esse termo com a sua devida importância, ou seja, utilizar a abordagem salutogênica no desenvolvimento de seus projetos e iniciativas coloca valor naquilo que deveria ser visto como a verdadeira prosperidade: a nutrição, desenvolvimento e evolução de tudo que é vivo no Planeta.


Seu trabalho está vivo? Seu negócio está vivo? Se sim, você consegue se enxergar parte de uma comunidade!


Enxergar os fluxos e dinâmicas de trocas realizadas através de um sistema é essencial para prever sua resiliência. Portanto, considerando estas definições, um líder de projeto saudável está constantemente atento à qualidade das relações e ao equilíbrio das trocas realizadas entre seus parceiros que, envolvidos em dinâmicas colaborativas constantes e com os mesmos valores, formam uma comunidade. Mas um detalhe muito importante que gostaria de destacar aqui é: não há saúde e resiliência sem considerar a Natureza como minha primeira parceira de vida!



Ilustração: Bea Vaquero

Como posso desenhar dinâmicas de trocas mais equilibradas entre minhas iniciativas/meus projetos/meu trabalho e a Natureza?

Como posso entrar em um fluxo de colaboração com a Natureza?

Como posso aprender com a Natureza para melhorar meus relacionamentos com meus parceiros?  



É com muito prazer que me reuni durante esta quarenta com 4 mulheres maravilhosas e potentes para produzir conteúdo e gerar trocas sobre Regeneração para changemakers.

Gostaria de compartilhar e trocar mais sobre Comunidades Saudáveis e Abordagem Regenerativa?  Acesse www.re-conectar.com


“O próximo grande salto evolutivo da humanidade será a descoberta de que cooperar é melhor que competir”

Pietro Ubaldi


Referências:

BUSCHBACHER, R. A Teoria da Resiliência e os Sistemas Socioecológicos: como se preparar para um futuro imprevisível?

Boletim Regional, Urbano e Ambiental, v. 9, p. 11-24, 2014.

 Link: http://uftcd.org/wp-content/uploads/2017/10/ACLI_Buschbacher_teoria.pdf

Vale muito adquirir: https://bambualeditora.com.br/p/design-de-culturas-regenerativas/





Alcineide Magalhães Marques