Semana do Meio Ambiente: Alimentação Sustentável

Atitudes e práticas da nossa Guia Nath para inspirar uma alimentação sustentável para você e para o planeta.


Desde pequena tenho essa mania um pouco estranha de ler rótulos. Era só sentar na mesa para comer e logo começar a ler composição, valor nutricional e tudo mais que compunha a embalagem de qualquer coisa que se encontrava à minha frente. Na época, essa atividade tinha como finalidade apenas alimentar a minha curiosidade e nada mais. Claro que não deixava de consumir um suco porque vi que tinha milhares de tipos de acidulantes diferentes, mas vi que essa mania foi bastante importante e ditou o rumo de muitos hábitos saudáveis da alimentação que possuo hoje.


Hoje, enquanto escrevo esse texto e pesquiso sobre dados concretos sobre os impactos ambientais da indústria alimentícia, não me parece tão simples quanto ler rótulos. A falta de transparência que existe hoje em relação a toda cadeia produtiva de um alimento no Brasil e no mundo, reforça a necessidade de práticas e engajamentos individuais para que se reflita no todo. Na Trilha rECOnectar disponibilizamos alguns dados alarmantes que encontramos sobre esses impactos.


Mas, o que é uma alimentação sustentável afinal?


Alimentação sustentável é um conceito bem abrangente que envolve muitos aspectos além da comida que está no prato, mas pode ser definido basicamente como uma alimentação que visa o baixo impacto no meio ambiente e que ao mesmo tempo seja saudável para a sua própria Natureza. Considerando estimativas de que até 2050, seremos mais de 9 bilhões de humanos na Terra reforça a importância de termos conhecimento sobre o que fazer em relação a produção, consumo e o destinação correta do nosso alimento.


Nós mulheres da trilha rECOnectar, sempre falamos sobre a importância de entender sustentabilidade como uma prática que claro, vise o melhor para o meio ambiente mas que seja realmente possível dentro do seu contexto e da sua vida. Não adianta querer salvar o planeta e acabar prejudicando o seu próprio bem-estar mental e físico.

Em muitas aulas falamos sobre diversas práticas que podem te inspirar a ter uma alimentação mais sustentável, mas o nosso papel principal é fornecer ferramentas que vão fazer você refletir, dentro das suas possibilidades e contexto de vida hoje, o que é alimentação sustentável para você.


Pensando nisso e levando em conta que grandes transformações acontecem a partir de pequenas mudanças de hábitos, separei algumas práticas que eu, Nathalia, adotei durante a minha vida até agora que podem vir a inspirar você. Morei na cidade por muitos anos e agora fiz a transição para o campo, mas em ambos contextos encontrei práticas de uma alimentação sustentável.



  1. Plantar


Eu e o meu vizinho na minha hortinha.

Horta Comunitária na cidade: No começo da pandemia, eu junto com alguns moradores e os funcionários do meu prédio em São Paulo começamos uma horta comunitária. Começamos plantando algumas coisas bem básicas como babosa, salsinha e boldo. Em poucos meses várias moradores engajaram com a horta e já colhemos uma variedade enorme de temperos e ervas. Além de todos os benefícios de saúde e ambiental (leia mais sobre isso aqui) que plantar promove, essa atividade acabou unindo ainda mais os moradores e nos reconhecendo mais como uma comunidade.


Horta no quintal: Quando mudei para minha casa no campo, comecei a minha própria hortinha com ajuda dos meus vizinhos. Minha experiência era pouca, por isso comecei devagar montando primeiro a minha hortaliça de temperinhos e ervas. As plantas são professoras mestras, e com o tempo fui aprendendo a lidar com elas e me sentindo mais confiante para ir plantando mais legumes e vegetais.



2. Compostagem

Você sabia que 80% dos resíduos que vão parar em aterros e lixões hoje são orgânicos? Ou seja, é matéria orgânica cheia de nutrientes que, sendo adequadamente destinados, podem voltar para terra e servir de alimento para gerar ainda mais alimento! (entenda mais sobre o que é uma composteira e como fazer aqui). Aqui na minha casa no Sul, separo meus resíduos orgânicos em uma balde e destino a composteira na Morada Ekoa (conheça mais sobre o projeto deles aqui) e/ou entrego para meus outros vizinhos, um casal de senhores que destinam como alimento de suas galinhas. Recentemente, ampliei a hora do meu quintal e fiz uma composteira ao lado que irá servir para nutrir as novas plantações.


3. Dieta Vegetariana

Por motivos de saúde (sofri de gastrite e colite na minha adolescência) resolvi parar de comer carne. Somei ao hábito de ingestão de ervas e rapidamente notei uma melhora absurda na minha digestão e em menos de um ano, parei de ter crises. Tive o acompanhamento de uma nutricionista e acabei expandindo muito a variedade de alimentos que ingeria que consequentemente, alavancou a minha saúde e bem-estar. Sabemos também que a pecuária representa uma das atividades humanas mais impactantes para o meio ambiente, consumindo grandes quantidades de água, grãos, combustíveis fósseis, pesticidas e drogas (saiba mais sobre os impactos negativos aqui.)



4. Comprar de produtores locais

Sempre gostei muito de ir á feira, quando morava em São Paulo já tinha esse hábito e mantive quando me mudei aqui pro Sul, optando por comprar de agricultores familiares e alimentos orgânicos. Quando sinto de comprar alimentos mais gourmet compro na Solli Organicos em Pinheiros, eles tem uma variedade imensa de produtos incríveis e uma política bem rigorosa quanto a ética e a procedência de cada alimento que oferecem!.



5 . Evitar desperdícios (Estimula a criatividade!)

Quando morei um tempo em Minas Gerais, fiquei em uma casa muito distante do centro comercial. Tínhamos que fazer compras calculadas para a nossa estadia pois não era simples de comprar coisas caso faltasse. Lembro de certa vez ter ficado presa com um amigo sem meios de transporte até a cidade por vários dias, e a comida foi acabando. Lembro o quão estimulante foi para a nossa criatividade culinária elaborar pratos com o que tinha disponível de uma forma que jamais imaginei inovar na cozinha. A partir desse dia, adotei isso para vida. Só compro alimentos quando acaba tudo que há na minha geladeira. Dessa forma, estou sendo estimulando a minha criatividade gastrômica e aprendendo a gerenciar o que consumo.



6. Compartilhar


Almoço compartilhado da vizinhança

Essa é uma prática que realmente só exerci depois que fiz a minha transição da cidade para o campo. Na cidade, morava em apartamento e mal tinha contato com os moradores do prédio. Aqui, moro em comunhão com outras casas e existe uma cultura forte aqui de compartilharmos as coisas. Quando falta qualquer coisa aqui em casa, antes de comprar, verifico se algum vizinho pode me completar e vice-versa.





Gostou? essas são algumas práticas que tenho adotado, ainda sonho em um dia viver a soberania alimentar, mas é caminhando devagar que se chega!


Se inscreva na próxima turma da Trilha rECOnectar que tem início no dia 14/06 e descubra quais os hábitos que você pode adotar rumo a uma vida mais sustentável para você a para o planeta!






Nathalia Nasralla

Co-fundadora rECOnectar

Empreendedora & Diretora Criativa

Linkedin I Instagram